Mattaraia Engenharia Indústria e Comércio Ltda
Rodovia Anhanguera - Km, 305
Ribeirão Preto - S.P. | Cep: 14097-140
Fone / Fax: 16 - 3629.2929
Untitled Document
 
menu.jpg
Untitled Document
Untitled Document Untitled Document
Untitled Document
Obras no período de chuva

A execução de obras durante o verão (época de chuvas) normalmente implica em um gasto maior do que o verificado em períodos de estiagem, pois a chuva pode deixar os trabalhadores parados, desfazer serviços prontos e estragar materiais mal armazenados. Contudo, um planejamento adequado e a adoção de certos cuidados podem evitar maiores prejuízos. O ideal é que a fase de fundações seja concluída o mais rapidamente possível. Para essa etapa, pode-se usar uma cobertura plástica sobre a área de escavação das fundações.

O tipo de sistema construtivo também pode ajudar: o mais indicado é o de estrutura independente, em que se sobe primeiro a estrutura da construção, que logo após é coberto com plástico ou, se possível, com o telhado definitivo, possibilitando que os trabalhos seguintes sejam feitos em local seco.

Pode-se construir a casa com tijolos cerâmicos ou blocos de concreto, que reduzem consideravelmente os acabamentos externos e internos necessários. Vale lembrar que o concreto usinado, embora mais caro, tem secagem muito mais rápida do que o produto feito na obra. Se for preciso, inclusive, pode ser usado um acelerador de secagem de concreto (tipo aditivo).

No caso de sobrados, por algum tempo pode-se usar, como cobertura, a laje que serve de forro do telhado ou de piso do segundo pavimento, evitando assim o trabalho a céu aberto. Assim, o telhado fica para um momento mais tranqüilo na obra, devido à sua complexidade.

Não se deve persistir na execução de alguns itens quando a umidade no ar for muito elevada ou no caso de chuvas iminentes. O exemplo vale principalmente para a abertura de valetas durante as fundações, a execução dos contrapisos ou das alvenarias a céu aberto. A insistência nessas situações significa serviço a ser refeito. Além do gasto com materiais, os operários podem pedir para receber em dobro pelo trabalho se não estiverem sendo bem administrados.

A mão-de-obra é um fator que exige administração séria e profissional. Uma primeira dica é sempre fazer sua contratação por empreitada. Divide-se a construção em etapas e paga-se cada uma delas, após sua execução. Dessa forma, o construtor não é tão prejudicado se as chuvas se prolongarem por vários dias. É claro que, para administrar os trabalhadores, é preciso jogo de cintura. O adiantamento de uma parte de pagamento, durante as chuvas, evita que os operários desistam do serviço.

É importante que os funcionários estejam legalmente contratados para que mais tarde não fiquem pendentes problemas trabalhistas, no caso de a obra ter ficado muito tempo parada por razões que fogem ao controle dos operários.
Seguem abaixo outras recomendações que também são úteis:
• tijolos de barro devem ser cobertos com uma lona plástica;
• uma mureta de alvenaria para guardar areia evita que ela escorra com a água da chuva;
• um barracão para estocar materiais feitos com placas de madeirite e coberto com telhas de fibrocimento;

 

 
     
Untitled Document
Dúvidas, Sugestões e Comentários sobre o assunto acima
 
Envie-nos  
Nome:
E-mail:
Telefone:
-
Cidade:
Texto:
Verificação de Imagem
Por favor digite as quatro letras ou dígitos que aparecem na imagem.
 
Não há comentários.

 
 
Nova classe média atraiu indústria da construção civil
 
Em 2012, 75% dos novos prédios no País eram voltados às classes C e D; há dez anos, 90% eram para as classes A e B. 
Momento é bom para financiar imóvel
 
Confira dicas para escolher sua casa. Primeiro veja se a rua é tranquila e segura, sem feira-livre ou barzinhos por pert 
Sebrae qualifica cadeia produtiva da Construção Civil
 
Projeto prevê diagnóstico organizacional, capacitação gerencial e consultorias tecnológicas 
Norma sobre carrinho de mão na construção civil é publicada
 
A nova norma NBR 16.269:2014 - Ferramentas manuais - Carrinho de mão na construção civil entrará em vigor mês que vem, a 
 
Untitled Document
Nova classe média atraiu indústria da construção civil 
Em 2012, 75% dos novos prédios no País eram voltados às classes C e D; há dez anos, 90% eram para as classes A e B.